PROJETO TV RAÍZES DA CULTURA

PROJETO TV RAÍZES DA CULTURA
CONHEÇA NOSSO PROJETO - SEJA NOSSO PARCEIRO(A)

APOIE A TV RAÍZES DA CULTURA

APOIE A TV RAÍZES DA CULTURA
SAIBA COMO APOIAR CLICANDO AQUI

quarta-feira, 2 de dezembro de 2020

Nota de Pesar

 


O Instituto Cultural Raízes e a Associação Quilombola Raízes Negros do Pajeú, vem de público manifestar seu pesar pelo falecimento do Sr. José Francisco dos Santos (Talei), ocorrido neste dia 02 de dezembro de 2020, aos 86 anos de idade.

Talei (como assim era conhecido) é um dos mais importantes personagens dos povos quilombolas de Floresta, e um dos mais presentes aos encontros e reuniões.

Nossos mais sinceros sentimentos a todos os familiares e integrantes da Associação Quilombola Raízes Negros do Pajeú.

Que o Deus de nossos ancestrais o receba em sua morada infinita.

A nós, cabe a homenagem e as recordações de sua trajetória em vida, a qual o torna inesquecível em nosso meio e em nossa caminhada.

Assinam a Nota de Pesar:

Josefa Guiomar - Presidente da Associação Quilombola Raízes Negros do Pajeú
Libânio Francisco - Presidente do Instituto Cultural Raízes

domingo, 12 de julho de 2020

Nota de Pesar

JOSÉ VICENTE DE SOUZA (ZÉ VICENTE)
O Instituto Cultural Raízes e a Associação Quilombola Raízes Negros do Pajeú, vem de público manifestar seu pesar pelo falecimento do Sr. José Vicente de Souza (Zé Vicente), ocorrido no dia 10 de julho de 2020.

Seu Zé Vicente (como assim era conhecido) é um dos mais importantes personagens dos povos quilombolas de Floresta, que guardava uma das tradições mais profundas que era o dom de ser rezador.

Era também da irmandade da Confraria do Rosário de Floresta, tendo inclusive sido Rei.

Desde o início dos trabalhos do Instituto Cultural Raízes na organização dos povos quilombolas de Floresta, esteve sempre presente e integrando a Associação Quilombola Raízes Negros do Pajeú.

Nossos mais sinceros sentimentos a todos os familiares, integrantes da Associação Quilombola e da Confraria do Rosário de Floresta.

Que o Deus de nossos ancestrais o receba em sua morada infinita.

A nós, cabe a homenagem e as recordações de sua trajetória em vida, a qual o torna inesquecível em nosso meio e em nossa caminhada.

Assinam a Nota de Pesar:

Josefa Guiomar - Presidente da Associação Quilombola Raízes Negros do Pajeú
Libânio Neto - Presidente do Instituto Cultural Raízes

segunda-feira, 29 de junho de 2020

Instituto Cultural Raízes lança nova identidade visual


O Instituto Cultural Raízes, lançou no último dia 24 de junho de 2020, a nova identidade visual da instituição.

Construída a partir da reflexão a cerca dos objetivos e a missão do Instituto Raízes, a nova logomarca trás as referências gráficas africanas e indígenas, entrelaçadas. 

Das cores

Originalmente nas cores marrom e branco) e o vermelho.

O marrom, simboliza a terra e a madeira, simbolizando a natureza e a mãe terra.

O branco, simbolizando o renascimento e a limpeza espiritual.

O vermelho Urucum, também identificado como energia da vida e o sangue derramado dos mártires e heróis dos povos negros e indígenas (tradicionais) na luta contra o racismo, a exploração e a opressão.


Somada a logomarca, também foi lançada a identidade visual aplicada às redes sociais, que trás como destaque as imagens de um índio e de uma mulher africana, representando a nossa ancestralidade, desde a mãe áfrica, aos povos originários da América e do hoje chamado Brasil.

Agradecemos ao Grupo Tambores de Ògún na pessoa de Roberto Mariz que criou a presente marca para o Instituto Raízes.

A nova identidade visual, após construída a logomarca, contou com a participação do Diretor Presidente do Instituto Raízes, Libânio Neto, sendo aprovada em seguida por todos os(as) componentes da Diretoria da entidade.

quarta-feira, 20 de maio de 2020

NOTA DE PESAR


O Instituto Cultural Raízes, vem através desta expressar seus mais sinceros sentimentos e pesares pelo falecimento da Sra. MARISA MANNUCCI, com a idade de 94 anos, ocorrido na manhã desta quarta-feira, 20 de maio de 2020, na cidade de Pontassieve, Diocese de Fiesole, na Itália.

A mesma é mãe do nosso querido Bispo Diocesano de Floresta, Dom Gabriel Marchesi, ao qual (e aos seus familiares) nos irmanamos neste momento de dor e de perda e, nas orações pelo descanso eterno de sua querida mãe.

Nos irmanamos também a todos que integram a Diocese de Floresta, que expressam seus sentimentos e sua solidariedade ao Bispo Dom Gabriel e familiares.

Segue nota da Diocese de Floresta:

domingo, 8 de março de 2020

8 DE MARÇO - DIA INTERNACIONAL DA MULHER


A todo instante devemos nos sentir convocados a refletir sobre a Mulher.
A Mulher que na sociedade em que vivemos ainda sofre imensamente com as discriminações e as explorações em casa, no trabalho e até mesmo nos grupos que compõem a chamada sociedade organizada.

Vista  ou propagada muitas vezes (nos grandes veículos de comunicação, redes sociais ou propagandas), como símbolo ou objeto sexual, sendo vítima do extremo machismo que desrespeita, assedia e agride, ou ainda da selvageria dos que violam, estupram e matam.

Ela ainda é vista por alguns como frágil, muitas vezes desprezada, esquecida e marginalizada por uma estrutura social injusta e desumana.
No passar dos séculos e principalmente das décadas mais recentes, as mulheres têm buscado, e conquistado espaços significativos na sociedade, ocupando funções e desenvolvendo atividades antes reservadas apenas aos homens.

No entanto, tudo isto ainda é insuficiente, pois, não se trata de (na visão machista) “dar espaço às mulheres”, como se fosse uma concessão dos homens ou da sociedade, e não como um direito legítimo enquanto ser humano, conquistado através de muitas lutas.

Para que haja na verdade o respeito aos direitos da mulher enquanto pessoa e ser humano que é, teremos que ir muito além dos limites atuais, romper com as amarras do conservadorismo e da discriminação, criados desde tempos passados, destruir as injustiças existentes nesta sociedade, vencer nossos preconceitos enraizados na nossa formação e impregnados em nossa cultura.

A plenitude desta conquista virá  com o surgimento de uma sociedade, baseada na justiça, na igualdade, na  solidariedade e na democracia; onde o homem não veja a mulher como objeto de satisfação dos seus “desejos”, que seja capaz de conviver com a mulher como uma companheira e não como escrava ou empregada; um novo homem capaz de amar, capaz de expressar os gestos mais puros e sinceros; quando a mulher também entender e decidir que não deve permitir que seja usada, que não deve ser peça descartável, que não deve se vender ou submeter-se, que deve lutar e exigir o reconhecimento de seus valores; quando homem e mulher compreenderem que todos devem ser iguais em direitos e deveres, e que um não é superior ao outro.

Somente assim, com uma mudança total, viveremos o nascimento de uma Nova Mulher, verdadeiramente Livre, Independente e Feliz.

Uma saudação especial a todas as mulheres, mães, esposas, amantes, companheiras, guerreiras, guerrilheiras, a estas Marias/Mulheres que são “um dom, uma certa magia, uma força que nos alerta... uma mulher que merece viver e amar como todas as pessoas do planeta”.

Até a vitória sempre!!

Mulher!! 

sexta-feira, 3 de janeiro de 2020

1 ano de Luto, Dor e Tristeza, por uma perda irreparável


Há um ano, no início da noite uma imensa tristeza e um profundo tomou conta de todos nós, ao sabermos do falecimento de Mônica Santos Alves, integrante da Diretoria Executiva do Instituto Cultural Raízes.

Sua partida de forma repentina e inesperada, nos pegou a todos(as) de surpresa, causando imensa dor, face à tamanha e irreparável perda.

A história de Mônica entre nós do Instituto Raízes, teve início ainda no primeiro semestre de 2012 e foi marcada por sua característica alegre, divertida, participativa e dedicada, que cativou o carinho e a atenção de todos(as) que tivemos o privilégio da sua convivência.

Menina cheia de vida e de sonhos, que buscava vencer os desafios da vida de forma digna e exemplar.

Um ano depois, continua faltando palavras para descrever todo o sentimento de tristeza que toma conta de cada um(a) de nós em um momento como este.

Continuam as dúvidas e as perguntas: falta de atenção médica desde o primeiro atendimento? negligência médica e hospitalar? teria dado tempo salvar sua vida, caso as providências necessárias fossem tomadas à tempo?

Resta-nos, mesmo indignados(as), buscar forças para suportar a dor e para administrar a saudade e a falta do seu sorriso.

Nossos mais sinceros sentimentos a todos os seus familiares e em especial a Dona Fátima, sua mãe, cuja dor é incalculável.

Estará sempre presente em nossa memória.