APOIE NOSSAS AÇÕES

APOIE NOSSAS AÇÕES
SEJA UM(A) APOIADOR(A) DAS AÇÕES DO INSTITUTO RAÍZES

PROJETO TV RAÍZES DA CULTURA

PROJETO TV RAÍZES DA CULTURA
CONHEÇA NOSSO PROJETO - SEJA NOSSO PARCEIRO(A)

APOIE A TV RAÍZES DA CULTURA

APOIE A TV RAÍZES DA CULTURA
SAIBA COMO APOIAR CLICANDO AQUI

sexta-feira, 30 de setembro de 2022

Nota de Pesar

Expedita Maria de Jesus

O Instituto Cultural Raízes e a Associação Quilombola Raízes Negros do Pajeú, vem de público manifestar seu pesar pelo falecimento da Sra. Expedita Maria de Jesus, ocorrido na data de 29 de setembro de 2022, aos 74 anos de idade.

Dona Dita, como assim se tornou conhecida é uma das mais importantes personagens das raízes históricas dos povos quilombolas de Floresta, sendo a irmã mais nova de Dona Guiomar Emília de Jesus.

Nossos mais sinceros sentimentos a todos os familiares e integrantes da Associação Quilombola Raízes Negros do Pajeú.

Que o Deus de nossos ancestrais a receba em sua morada infinita.

A nós, cabe a homenagem e as recordações de sua trajetória em vida, a qual a torna inesquecível em nosso meio e em nossa caminhada.

Assinam a Nota de Pesar:

Josefa Guiomar - Vice Presidente da Associação Quilombola Raízes Negros do Pajeú
Libânio Francisco - Presidente do Instituto Cultural Raízes

quinta-feira, 18 de agosto de 2022

Nota de Pesar

Adigina Conceição Nascimento

O Instituto Cultural Raízes e a Associação Quilombola Raízes Negros do Pajeú, vem de público manifestar seu pesar pelo falecimento da Sra. Adigina Conceição Nascimento, ocorrido na data de 17 de agosto de 2022, aos 71 anos de idade.

Adigina é uma das mais importantes personagens dos povos quilombolas de Floresta, e uma das mais presentes aos encontros e reuniões.

Nossos mais sinceros sentimentos a todos os familiares e integrantes da Associação Quilombola Raízes Negros do Pajeú.

Que o Deus de nossos ancestrais a receba em sua morada infinita.

A nós, cabe a homenagem e as recordações de sua trajetória em vida, a qual a torna inesquecível em nosso meio e em nossa caminhada.

Assinam a Nota de Pesar:

Josefa Guiomar - Vice Presidente da Associação Quilombola Raízes Negros do Pajeú
Libânio Francisco - Presidente do Instituto Cultural Raízes

quarta-feira, 23 de março de 2022

21 de Março - Dia Internacional de Luta contra a Discriminação Racial


O Dia Internacional de Luta pela Eliminação da Discriminação Racial foi criado pela Organização das Nações Unidas (ONU) no ano de 1966 e celebra-se em 21 de março em referência ao Massacre de Sharpeville.

Em 21 de março de 1960, em Joanesburgo, na África do Sul, 20.000 pessoas faziam um protesto contra a Lei do Passe, que obrigava a população negra a portar um cartão que continha os locais onde era permitida sua circulação. Porém, mesmo tratando-se de uma manifestação pacífica, a polícia do regime de apartheid abriu fogo sobre a multidão desarmada resultando em 69 mortos e 186 feridos.

Em memória a este massacre a Organização das Nações Unidas – ONU – instituiu 21 de março o dia Internacional de Luta contra a Discriminação Racial.

O Artigo I da Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial diz o seguinte:

"Discriminação Racial significa qualquer distinção, exclusão, restrição ou preferência baseada na raça, cor, ascendência, origem étnica ou nacional com a finalidade ou o efeito de impedir ou dificultar o reconhecimento e exercício, em bases de igualdade, aos direitos humanos e liberdades fundamentais nos campos político, econômico, social, cultural ou qualquer outra área da vida pública".

A História

No dia 21 de março de 1960, na cidade de Joanesburgo, capital da África do Sul, em torno de 20 mil pessoas protestavam pacificamente contra a lei do passe, que os obrigava a portar cartões de identificação, especificando os locais por onde eles podiam circular, bem como contra a obrigatoriedade das crianças falarem a língua “Afrikander” nas escolas.

Era o auge do Apartheid, regime de segregação racial adotado de 1948 a 1994 pelos brancos na África do Sul.

Neste período na África do Sul, as pessoas negras só podiam circular nos bairros que lhes eram permitidos segunda sua cor. Frequentar somente as escolas que lhe eram abertas. Além de só poderem ir nas igrejas, supermercados e banheiros segundo a cor que constasse nos seus “passaporte individuais de utilização dentro do país”.

A lei do passe, era algo parecido como a nossa carteira de trabalho no Brasil, que a polícia e justiça sempre pede aos negros que abordam.

Voltando ao 21 de março de 1960, os manifestantes chegando ao bairro de Shaperville, se depararam com tropas do exército. Mesmo sendo uma manifestação pacífica, o exército atirou covardemente sobre a multidão desarmada, matando 69 pessoas (inclusive crianças) e ferindo outras 186. 

Veja a seguir, vídeo da matéria no canal da TV Raízes:


O MASSACRE DE SHARPEVILLE É A MEMÓRIA 
DO DIA INTERNACIONAL PELA ELIMINAÇÃO 
DA DISCRIMINAÇÃO RACIAL

Crianças assassinadas no massacre de Shaperville - África do Sul

MASSACRE DE SHAPERVILLE

O Racismo no Brasil

O racismo no Brasil é algo pertinente desde o período colonial, no qual os portugueses achavam que a cor da pele determinava características como: força e capacidade intelectual. 

Apesar da "abolição da escravidão" e a criação de leis que visam diminuir o racismo, essa prática criminosa ainda encontra-se presente na sociedade atual, sociedade essa estruturada com base na escravidão e no racismo. 

Por conseguinte, as pessoas negras sofrem diariamente as consequências de uma desumana discriminação que inclui piadas na internet, recebem salários inferiores aos brancos e são excluídas de vários grupos sociais, entre várias outras agressões. 

Esse processo de racismo e desigualdade social ficou ainda mais evidente, no momento em que explode a pandemia da Covid 19.

Periodicamente a mídia relata casos de pessoas negras que foram atingidas pelo racismo, em diversos seguimentos. Diante disso, percebe-se que grande parte da população ainda pensa que o fato de possuir uma maior quantidade de melanina na pele determina uma inferioridade, mesmo sendo provado por cientistas que a cor da pele não atribui ao indivíduo uma menor capacidade racional e física. 

Outrossim, alguns grupos, de direita, abertamente racistas, acham que deve existir uma supremacia branca, e eles usam como justificativa a questão da escravidão no país. Assim, observa-se que essa prática ilegal e desumana, continua causando um mal imenso em nossa sociedade.

Com a evolução tecnológica e a propagação das redes sociais, o número de piadas racistas aumentou drasticamente, fazendo com que o negro sofra cada vez mais com esses atos. 

Ademais, dentro das empresas há um grande preconceito com a população afrodescendente, que geralmente ocupa cargos inferiores e recebem menos que os brancos realizando o mesmo tipo de trabalho. 

Também é importante ressaltar que o racismo muitas vezes começa dentro das escolas, nas quais existem grupos de amigos que excluem uma determinada pessoa simplesmente por ela ser negra. Dessa maneira, fica claro que, se não houver um enfrentamento direto e permanente, os índices de racismos aumentarão.

Em suma, o racismo e o preconceito contra o negro(a) presente na sociedade brasileira, não pode ser encarado como normal e deve ser erradicado. Para que isso ocorra, é necessário que haja a luta dos movimentos sociais, pressionando os órgãos públicos, para de forma efetiva identificar e dar a real atenção aos casos de racismos, punindo os infratores e garantindo a segurança das pessoas. 

Além disso, é preciso que o ensino acerca da população africana seja colocado em prática, para que as pessoas aprendam desde pequenos que não há diferença entre um indivíduo da cor branca e negra. Também é imprescindível a participação da sociedade, que, por meio de mobilizações e manifestações, deve se conscientizar e mudar esse cenário.

Veja a seguir, vídeo da matéria no canal da TV Raízes:


No Brasil vivemos um apartheid e temos um Shaperville permanente

Temos vivido nas cidades brasileiras o aumento da segregação racial, provocada por um desenvolvimento urbano voltado para as elites. As populações pobres e negras têm sido empurradas para as periferias. Os serviços públicos para estas áreas tem se resumido a paliativas incursões e ocupações repressivas por forças policiais.

Os mesmos fuzis de Sharpeville tem sido os principais meios de conter a população jovem que não se comporta neste quadro. 

No Brasil temos escolas públicas e privadas. Se nas escolas privadas de excelência a segregação racial é evidente para qualquer observador, seria através da melhora do sistema de ensino público que os governos municipais, estaduais e federal do Brasil, poderiam dar um exemplo de transformação, para que nossas crianças saiam de um  sistema tácito de segregação racial e social que ocorre no Brasil, que define as possibilidades ou impossibilidades futuras de empregos e convivência multirracial para todas as nossas crianças brasileiras.
Caminhando pelas ruas das cidades do Brasil, no horário de entrada e saída das escolas, é escandaloso se ver, que nas escolas particulares mais privilegiadas só transitam crianças brancas. Já nas saídas das escolas públicas a maioria são crianças negras.
Temos as LEIS No 10.639 e 11.645. que não estão sendo aplicadas nem pelo ensino público tanto menos pelo ensino privado. 

A recusa de se aplicar o ensino dos sistemas de visões de mundo indígenas e africanas que formam o povo brasileiro, é uma das grandes barreiras a serem superadas para se melhor combater o racismo no Brasil.

Veja a seguir, vídeo da matéria no canal da TV Raízes:



terça-feira, 4 de janeiro de 2022

3 anos de Luto, Dor e Tristeza, por uma perda irreparável


Há três anos, no início daquela noite uma imensa tristeza e um profundo pesar tomou conta de todos nós, ao sabermos do falecimento de Mônica Santos Alves, integrante da Diretoria Executiva do Instituto Cultural Raízes.

Sua partida de forma repentina e inesperada, nos pegou a todos(as) de surpresa, causando imensa dor, face à tamanha e irreparável perda.

A história de Mônica entre nós do Instituto Raízes, teve início ainda no primeiro semestre de 2012 e foi marcada por sua característica alegre, divertida, participativa e dedicada, que nos cativou e conquistou o carinho e a atenção de todos(as) que tivemos o privilégio da sua convivência.

Menina cheia de vida e de sonhos, que buscava vencer os desafios da vida de forma digna e exemplar.

Três anos depois, continua faltando palavras para descrever todo o sentimento de tristeza que toma conta de cada um(a) de nós em um momento como este.

Continuam as dúvidas e as perguntas: falta de atenção médica desde o primeiro atendimento? negligência médica e hospitalar? teria dado tempo salvar sua vida, caso as providências necessárias fossem tomadas à tempo?

Resta-nos, mesmo indignados(as), buscar forças para suportar a dor e para administrar a saudade e a falta do seu sorriso.

Nossos mais sinceros sentimentos a todos os seus familiares e em especial a Dona Fátima, sua mãe, cuja dor é incalculável.

Mônica, estará sempre presente em nossa memória.

Mensagem da Diretoria do Instituto Cultural Raízes.